Como se tornar Pesquisador Visitante em uma Universidade Estrangeira?



A pedido de muitos de vocês lá no meu instagram, neste post falarei sobre o processo pelo qual eu passei para conseguir a carta convite da universidade na Bélgica onde fiz meu Doutorado Sanduíche, sob status de pesquisadora visitante (Visiting Research Student, ou VRS). Este foi o processo seletivo interno da universidade no exterior, independente do processo seletivo Capes PrInt pelo qual eu passei aqui no Brasil.


Em primeiro lugar, é primordial já ter um contato na Universidade de destino antes de iniciar o processo seletivo. Este contato eu consegui através da publicação do meu primeiro artigo como primeira autora em 2018, que foi uma ótima vitrine do meu trabalho! Pesquisadores desta universidade entraram em contato comigo via e-mail, e por terem gostado do meu trabalho e por trabalharem com o mesmo grupo de animais e técnicas de trabalho, propomos uma colaboração. De lá para cá, trocamos dados, informações... E o meu título como VRS veio para selar, formalizar essa colaboração.


Atenção: Para obter este título, você já deve ter um vínculo como discente de Mestrado, Doutorado ou Pós-Doc em alguma universidade no Brasil. Isto porque a experiência de VRS é diferente de fazer um Mestrado ou Doutorado pleno (inteiro) no exterior, onde você teria que arcar com os custos de fazer disciplinas, por exemplo. A experiência VRS constitui em uma visita e aprendizado na pesquisa, sem fazer disciplinas da área - o que não torna a experiência menos rica, pois você terá acesso não só ao aprendizado de técnicas e conteúdos que se propôs a aprender, mas participará também de reuniões, palestras, eventos científicos, etc.


Voltando ao meu caso especificamente, após conseguir o contato, o professor da universidade de destino estabeleceu a ponte entre mim e o Departamento de Relações Internacionais da universidade na Bélgica. A secretária do departamento me enviou então um link através do qual eu criei um login na plataforma estudantil online da universidade.


Lá, preenchi meus dados pessoais, e para ter minha ida aprovada, precisei enviar também: cópia do passaporte , uma foto 3x4, comprovante de matrícula no Doutorado aqui na UFMG (em inglês) e um formulário extenso preenchido contendo agência financiadora do meu Doutorado Sanduíche, informações do meu orientador lá na Bélgica e aqui no Brasil, além de um projeto de pesquisa do trabalho de 6 meses a ser executado lá na Bélgica. Depois de cerca de 3 semanas, recebi o e-mail de confirmação da minha candidatura como VRS. Eles me enviaram a carta convite, que precisei para agregar ao dossiê de documentos para o visto de estudante Belga.


Acredito que o processo não mude muito para obtenção do mesmo status em outras universidades europeias. Algumas universidades podem cobrar uma taxa de inscrição, mas não foi o caso da minha.